My EKG, O Site do Eletrocardiograma Logo

Síndrome de Wolff-Parkinson-White


A síndrome de Wolff-Parkinson-White descreve a presença de uma via de condução acessória que une os átrios com os ventrículos associada a episódios de taquiarritmias.

Por costume, é também chamada síndrome de Wolff-Parkinson-White, aos sinais eletrocardiográficos de pré-excitação secundários à existência desta via acessória, embora não haja nenhuma taquicardia clínica ou palpitações.

Os pacientes diagnosticados com a síndrome de Wolff-Parkinson-White, normalmente têm um risco ligeiramente mais elevado de morte súbita cardíaca em comparação com a população saudável. Risco que depende das características da via acessória.

Via acessória atrioventricular (feixe de Kent):

Como comentamos, o substrato anatómico desta patologia é a presença de uma via acessória (feixe de Kent) que liga, electricamente, os átrios com os ventrículos. Este feixe provocando uma segunda via de propagação do impulso eléctrico.

Anatomia da Síndrome de Wolff-Parkinson-White

Via acessória no Wolff-Parkinson-White

  • 1. Sistema de condução normal.
  • 2. Via acessória (feixe de Kent).

O feixe de Kent é geralmente formado de fibras de miocárdio normal, que não têm o atraso fisiológico do nó AV, por isso, parte do miocárdio ventricular é despolarizado pela via antes de ser despolarizado pelo sistema de condução.

As manifestações clínicas e eletrocardiográficas da síndrome de Wolff-Parkinson-White dependem das características da via (velocidade de condução, condução anterógrada, retrógrada ou bidirecional).


Eletrocardiograma da síndrome de Wolff-Parkinson-White

O padrão eletrocardiográfico clássico de Wolff-Parkinson-White apresenta os sinais de pré-excitação.

Sinais eletrocardiográficos de pré-excitação

Como o estímulo é iniciado no nó sinusal, a onda P é normal.

Na pré-excitação, os ventrículos são despolarizados partir de dois pontos diferentes, o feixe de His e a via acessória.

Normalmente a despolarização pela via acessória ocorre antes, portanto, o intervalo PR é encurtado e aparece uma onda delta no início do complexo QRS, provocando um alargamento do mesmo.

Quando existe um elevado grau de pré-excitação (conduz mais pela via acessória que pelo sistema de condução), a morfologia do complexo QRS se assemelha à dos bloqueios de ramo, sendo mais alargados e aparecem alterações no segmento ST e ondas T negativas.

Resumindo:

  • Onda P sinusal, exceto outras alterações.
  • Intervalo PR encurtado (menor de 0.12 s).
  • Onda delta.
  • Complexo QRS alargado devido à presença de onda delta.
  • Com altos grau de pré-excitação: QRS tipo bloqueio de ramo, e alterações da repolarização (segmento ST e onda T).
Eletrocardiograma da Síndrome de Wolff-Parkinson-White

Wolff-Parkinson-White: PR encurtado (azul), QRS alargado por onda delta (vermelho)

Variabilidade do eletrocardiograma na síndrome de Wolff-Parkinson-White

Frequentemente o grau de pré-excitação varia, podendo ser distinto em dois diferentes electrocardiogramas, e por vezes, no mesmo ECG.

A velocidade da via acessória marca o grau de pré-excitação.

Se existe um maior grau de pré-excitação, a onda delta é mais marcada, o QRS é mais largo e aparecem os distúrbios da repolarização.

Diferentes graus de pré-excitação no Wolff-Parkinson-White

Wolff-Parkinson-White:

ECG alternando batimentos cardíacos normais e outros com pré-excitação intervalo (PR curto, complexo QRS largo e alterações da onda T).


Vias acessórias “ocultas”

Uma via acessória oculta conduz somente retrogradamente (dos ventrículos para os átrios), mas continua a ter a capacidade de produzir taquicardia de reentrada AV ortodrômica (ver abaixo).

Mas, ao não ter condução anterógrada (dos átrios para os ventrículos), não ocorrem as alterações típicas do pré-excitação no eletrocardiograma, de modo que o ECG em ritmo sinusal é normal.

Por isso, são chamadas vias acessórias "ocultas", porque não podem ser diagnosticadas com um eletrocardiograma em ritmo sinusal.


Taquicardia na síndrome de Wolff-Parkinson-White

Na síndrome de Wolff-Parkinson-White, existe um circuito formado pelos átrios, o sistema de condução, os ventrículos e a via acessória. Através deste circuito podem ser geradas taquicardia de reentrada atrioventricular.

Taquicardia ortodrómica:

Taquicardia Ortodrómica da Síndrome de Wolff-Parkinson-White

Taquicardia ortodrómica a 250 bpm
Taquicardia de QRS estreito, não há sinais de pré-excitação. Em vermelho as ondas P retrógradas

A taquicardia ortodrómica é a taquicardia mais comum na síndrome de Wolff-Parkinson-White. O estímulo elétrico passa dos átrios para os ventrículos pelo sistema de condução normal e retorna aos átrios pela via acessória. Sua morfologia é uma taquicardia de QRS estreito (se não houver outras alterações). Os sinais de pré-excitação não são observados durante a taquicardia.

Taquicardia antidrômica:

Nesta taquicardia, o estímulo passa a partir dos átrios para os ventrículos pela via acessória e retorna pelo sistema de condução normal. Sua morfologia é uma taquicardia de QRS largo e rítmica (é difícil de distingui-la da taquicardia ventricular), porque os complexos QRS têm a pré-excitação máxima.

Taquicardias geradas fora do circuito:

Taquiarritmias geradas nos átrios não relacionado com a síndrome de Wolff-Parkinson-White (fibrilação, flutter ou taquicardia atrial), as quais são transmitidas para os ventrículos através da via acessória. Como a via não tem as propriedades de condução lenta do nó AV, pode causar frequências ventriculares perigosamente altas e gerar fibrilação ventricular.


Outros tipos de pré-excitação: síndrome de Lown–Ganong–Levine.

Esta síndrome é obsoleto, porque não foi confirmado o seu mecanismo eletrofisiológico. Atualmente, é aconselhável não usá-lo como diagnóstico.

A síndrome de Lown-Ganong-Levine foi descrito em 1952 e historicamente tem sido associado a uma via acessória que liga os átrios com a parte distal do nó atrioventricular.

Isto provoca que o estímulo ignore o atraso fisiológico do nó AV e estimule o feixe de His precocemente, continuando o estímulo pelo sistema de condução normal.

Eletrocardiograma da síndrome de Lown-Ganong-Levine:

  • Onda P normal.
  • Intervalo PR curto.
  • Complexo QRS normal.
  • Onda T normal.
Eletrocardiograma da Síndrome de Lown-Ganong-Levine

Lown–Ganong–Levine: PR curto (azul), sem outra alteração

Resumindo, o eletrocardiograma da síndrome de Lown–Ganong–Levine é caracterizado por um intervalo PR curto, sem outra alteração.

Se você gostou... Compartilhe.