My EKG, O Site do Eletrocardiograma Logo

Repolarização Precoce


Padrão de Repolarização Precoce

O padrão de repolarização precoce é um achado do eletrocardiograma (ECG) mais frecuente em jovens, masculinos e atletas. Sua característica principal é a elevação da união do QRS com o segmento ST (ponto J).

Durante décadas, a repolarização precoce foi considerado benigna. No entanto, recentemente tem sido sugerido em estudos que pode associar-se a maior risco de arritmias ventriculares e de morte súbita 1 2 3.


Padrão de repolarização precoce no eletrocardiograma

O eletrocardiograma de repolarização precoce é caracterizado por:

  • Elevação da união do QRS com o segmento ST (ponto J) ≥0.1 mV em pelo menos duas derivações contíguas.
  • Presença de onda J ou entalhe no final do QRS.
  • Concavidade superior do segmento ST.
  • Ondas T apiculadas.4 5
Eletrocardiograma de Repolarização Precoce

Eletrocardiograma de repolarização precoce
Onda J, elevação do ponto J e elevação do segmento ST com concavidade superior.

Outras características do electrocardiograma de repolarização precoce:

  • Não existe depressão do ST “em espelho” (excepto na derivação aVR).
  • Pouca variação em eletrocardiogramas seriados.

Alterações do ponto J na repolarização precoce

O ponto J é o ponto de união do complexo QRS com o segmento ST.

Suas alterações são o sinal mais importante do padrão de repolarização precoce, permitindo realizar o diagnóstico embora não exista elevação do ST.

Onda J

Onda J e Slurring, Eletrocardiograma de Repolarização Precoce

A onda J, também conhecida como onda de Osborn, é uma das denominadas "novas ondas do ECG". É uma onda pequena, positiva e arredondada, que aparece no final do QRS 6.

Sua presença em derivações precordiais esquerdas ou em inferiores é um dos critérios de diagnóstico do padrão de repolarização precoce.

Também se observa na hipotermia, hipercalcemia, aumento do tônus vagal e lesões cerebrais ou medulares 4.

Atraso da condução no final do QRS

A outra alteração do ponto J na repolarização precoce, é o atraso na condução no final do complexo QRS.

Isto provoca um alargamento ou slurring na transição do QRS no segmento ST, sem onda J.

Na ausência destes sinais eletrocardiográficos o diagnóstico de repolarização precoce é duvidoso, ainda que apresente elevação do ST com concavidade superior.

A elevação do segmento ST não é um critério necessário, se pode diagnosticar repolarização precoce ainda que não exista elevação do segmento ST 4.


Significado da repolarização precoce

O achado do padrão de repolarização precoce em um eletrocardiograma foi considerado por décadas um sinal de benignidade.

Contudo, alguns estudos sobre sobreviventes de morte súbita e pacientes com fibrilação ventricular primária sugeriram uma associação entre repolarização precoce e risco de fibrilação ventricular 1 3.

Tipos de repolarização precoce

Antzelevitch et al.6 propõem dividir o padrão de repolarização precoce em três subtipos (quatro, se for incluído a síndrome de Brugada):

O Tipo 1 é frequente em pessoas saudáveis e em atletas masculinos, está associado a baixo risco arrítmico.

O Tipo 2 está associado a um risco arrítmico moderado, este tipo foi encontrado em pacientes depois de uma fibrilação ventricular Idiopática, embora pode encontrar-se em jovens.

O Tipo 3 é o tipo de maior risco de apresentar arritmias ventriculares e está associado a tempestades de fibrilação ventricular 6.

Contudo, até à data não existem dados que sustentem uma associação entre repolarização inferior precoce e morte cardíaca súbita em atletas 7.

Tratamento da repolarização precoce

Com base nas provas actuais, todos os padrões de repolarização precoce no electrocardiograma, quando presentes isoladamente e sem marcadores clínicos de patologia, devem ser considerados variantes benignas nos atletas e não requerem avaliação adicional 7 8.

Não se recomenda a interrupção da prática desportiva em atletas 7.

Pelo contrário, a presença do padrão de repolarização precoce em pacientes sobreviventes de uma parada cardíaca secundária a fibrilação ventricular Idiopática é indicação de cardioversor desfibrilador implantável; embora teria a mesma indicação na ausência de repolarização precoce.

Referências

  • 1. Haïssaguerre M, Derval N, et al. Sudden cardiac arrest associated with early repolarization. N Engl J Med. 2008;358:2016–2023. doi: 10.1056/NEJMoa071968.
  • 2. Nam GB, Kim YH, Antzelevitch C. Augmentation of J waves and electrical storms in patients with early repolarization. N Engl J Med. 2008;358:2078–2079. doi: 10.1056/NEJMc0708182.
  • 3. Rosso R, Kogan E, Belhassen B, et al. J-point elevation in survivors of primary ventricular fibrillation and matched control subjects: incidence and clinical significance. J Am Coll Cardiol. 2008;52:1231–1238. doi: 10.1016/j.jacc.2008.07.010.
  • 4. Derval N, Sha A, Jaïs P. Definition of Early Repolarization: A Tug of War. Circulation. 2011; 124: 2185-2186. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.111.064063.
  • 5. Macfarlane PW, Antzelevitch C, Haissaguerre M, et al. The Early Repolarization Pattern: A Consensus Paper. J Am Coll Cardiol. 2015;66(4):470-477. doi: 10.1016/j.jacc.2015.05.033
  • 6. Antzelevitch C, Yan GX. J wave syndromes. Heart Rhythm 2010; 7: 549–558. doi: 10.1016/j.hrthm.2009.12.006.
  • 7. Sharma S, Drezner JA, Baggish A. International recommendations for electrocardiographic interpretation in athletes. Eur Heart J. 2018. 39(16): 1466–1480. doi: 10.1093/eurheartj/ehw631.
  • 8. Ali A, Butt N, Sheikh AS. Early repolarization syndrome: A cause of sudden cardiac death. World J Cardiol. 2015 Aug 26; 7(8): 466–475. doi: 10.4330/wjc.v7.i8.466.

Se você gostou... Compartilhe..