My EKG, O Site do Eletrocardiograma Logo

Ondas do Eletrocardiograma


As ondas são as diferentes curvaturas do traçado do eletrocardiograma, para cima ou para baixo. São produtos dos potenciais de ação que ocorrem durante a estimulação cardíaca, e se repetem de batimento a batimento, salvo alterações.

Ondas do Eletrocardiograma

As ondas eletrocardiográficas são denominadas P, Q, R, S, T, U, por esse ordem, e são ligadas entre si por uma linha isoelétrica.

Onda P

A onda P é a primeira onda do ciclo cardíaco. Representa a despolarização dos átrios. É constituída pela sobreposição da actividade elétrica dos dois átrios.

Sua parte inicial corresponde à despolarização do átrio direito e sua parte final à despolarização do átrio esquerdo.

A duração da onda P é inferior a 0,10s (2,5 mm) e uma voltagem máxima de 0,25 mV (2,5 milímetros de altura). Normalmente é positiva em todas as derivações, exceto em AVR onde é negativa, e em V1 onde normalmente é isodifásica.

Nas sobrecargas atriais, a onda P pode aumentar em altura ou em duração (ver alterações da onda P), e está ausente na fibrilação atrial

Onda Q

Duas coisas importantes sobre a onda Q:

1. Se houver uma pequena onda positiva no QRS antes de uma onda negativa, a onda negativa não é uma onda Q, é uma onda S, embora a onda positiva seja muito pequena.

2. No todas as ondas Q significam infarto do miocárdio. Em um eletrocardiograma normal extstem ondas Q em algumas derivações sem ter um significado patológico.

Características da Onda Q normal

  • Derivações periféricas: A onda Q normal é muitas vezes estreita e pouco profunda (menos de 0,04 seg de duração, 2 mm de profundidade) geralmente não excede 25% do QRS. Pode haver uma onda Q relativamente profunda em D3 em corações horizontalizados e um complexo QS em aVL nos corações verticalizados. É normal uma onda Q profunda em aVF.
  • Derivações precordiais: Não deve haver nunca uma onda Q em V1-V2. Em V5 e V6 normalmente há uma onda Q, mas deve ser inferior a 0,04 segundos de duração e 2 mm de profundidade (não deve exceder 15% do QRS).

Complexo QRS

É constituído por um conjunto de ondas e representa a despolarização dos ventrículos. A sua duração varia de 0.06 s a 0.10 s. O complexo QRS tem várias morfologias dependendo da derivação (Ver morfologia do momplexo QRS).

  • Onda Q: Se a primeira onda do complexo QRS é negativa, ele se denomina onda Q.
  • Onda R: É a primeira onda positiva do complexo QRS, pode ser precedida por uma onda negativa (onda Q) ou não. Se o complexo QRS tivesse outra onda positiva esta é chamada R'.
  • Onda S: É a onda negativa que aparece após da onda R.
  • Onda QS: Quando um complexo é completamente negativo, sem a presença de uma onda positiva, se denomina QS. Geralmente é um sinal de necrose miocárdica.
  • Ondas R' y S': Quando há mais de uma unda R ou mais de uma onda S, são chamadas R’ e S'

Lembre-se: Se um complexo QRS tem uma onda positiva inicial, por pequena que seja, esta onda é uma onda R é a onda negativa seguinte é uma onda S, não uma onda Q. É um erro comum confundi-las.

Onda T

Representa a repolarização dos ventrículos. Geralmente é de menor amplitude do que o QRS anterior.

Em um eletrocardiograma normal é positiva em todas as derivações, exceto em aVR. Embora possa ser negativa em D3 em obesos e em V1-V4 em crianças, jovens e mulheres.

A onda T normal é assimétrica, a sua porção ascendente é mais lenta do que a descendente. A sua amplitude máxima é inferior a 5 mm em derivações periféricas e menos de 15 mm em derivações precordiais.

Existem muitas doenças que causam alterações na onda T. A cardiopatia isquêmica ou a Hipercalemia são exemplo (Ver alterações da onda T).

Onda U

Onda positiva de baixa voltagem, que se vê principalmente em derivações precordiais após a onda T. A sua origem é desconhecida, poderia significar a repolarização dos músculos papilares.

Na hipocalemia moderada ou grave é típico a presença de ondas U proeminentes.

Anterior | Próximo

Se você gostou... Compartilhe.